quinta-feira, 9 de março de 2017

Bezerra da Silva e a Justiça embriagada do Brasil

O saudoso Bezerra da Silva, caia na graça do povão inteligente, porque o mesmo sempre fazia criticas as leis doentes e embriagues jurídica da justiça brasileira, que serve para punir o pobre e favorecer o rico. Ao criticar a possível implantação da "Pena de Morte" em nosso país, Bezerra malha o cassete no sistema, em especial o tratamento especial que criminosos ricos recebem de mão beijada dos senhores juízes, ou melhor, da Justiça, por isso Bezerra canta: "Quando o colarinho branco/ Mete o rifle sem dó nos cofres da nação/ O senhor não condena ele a morte/ E também não lhe chama de ladrão/ Nesta hora a justiça enxerga doutor/ E protege o marajá/ E se por acaso ele for condenado/ Tem direito a prisão domiciliar..."

As mensagens transmitidas, nas maioria das musicas do velho Bezerra da Silva, sempre contia uma critica social ao Sistema. Questionava não só "leis drogadas" e judiciário viciado na impunidade, com leis arcaicas que deixa o judiciário doente, mas pregava a critica ao falso politico, como as politicas de escravidão moderna, sem falar que o mesmo defendia o voto facultativo, sendo contra o modelo de Previdência Social, Segurança, Educação e Saúde Pública, sem falar na impunidade reinante existente em nosso País, só pra quem tem muito dinheiro, quado diz: "Vejo que essa previdência/ Não tem competência pra ser social/ O trabalhador adoece e morre na fila do hospital/ Enquanto uma pá de 'aspone' que dorme e come mamando na teta/ E os PC's na mamata/ Sempre fazendo mutreta/ Roubando dinheiro do povo e mandando pra suíça na maior careta...", verso que faz parte da música "Assombração de Barraco", a qual reproduzo abaixo, vale apenas ler...

-------------------------------------------------------------------------------

Assombração de Barraco
Bezerra da Silva

Eu já ando injuriado, ô xará
Meu salário defasado,
Meu povo todo esfomeado
E ainda é intimado a votar

Vejo que essa previdência
Não tem competência pra ser social
O trabalhador adoece e morre na fila do hospital
Enquanto uma pá de aspone que dorme e come mamando na teta
E os pc's na mamata sempre fazendo mutreta
Roubando dinheiro do povo e mandando pra suíça na maior careta

Eu já ando injuriado, ô xará
Meu salário defasado,
Meu povo todo esfomeado
E ainda é intimado a votar

Isso é que é covardia que me arrepia e me faz chorar
É fraude por todos os lados e ninguém consegue grampear os culpados
É que na realidade a impunidade tá feia demais
E uma pá de cheque-fantasma assustando o planalto central
Assombração de barraco ou ladrão de gravata e não é marginal..

-------------------------------------------------------------------------
Veja abaixo a integra da letra da música Pena de Morte de Bezerra da Silva:
-------------------------------------------------------------------------

Pena de morte
Bezerra da Silva

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome,
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome...

Quando o colarinho branco
Mete o rifle sem dó nos cofres da nação
O senhor não condena ele a morte
E também não lhe chama de ladrão
Nesta hora a justiça enxerga doutor
E protege o marajá
E se por acaso ele for condenado
Tem direito a prisão domiciliar...
Pra quê pena de morte?

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Erradíssimo!
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome

Olha aí eu não estou lhe entendendo, doutor
Onde é que o senhor quer chegar
Foi Deus quem deu a vida a seus filhos
Somente ele é quem pode tirar
Vê se toma um chá de? simancol?
E colabore com o meu Brasil novo
Ao invés da pena de morte
Faça uma lei pra ter pena do povo...
Pra quê pena de morte?

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome

Olha aí quando o colarinho branco
Mete o rifle sem dó nos cofres da nação
O senhor não condena ele a morte
E também não lhe chama de ladrão
Nesta hora a justiça enxerga doutor
E protege o marajá
E se por acaso ele for condenado
Tem direito a prisão domiciliar...
Pra quê pena de morte?

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Muito erradíssimo!
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome.

Olha aí eu não estou lhe entendendo, doutor
Onde é que o senhor quer chegar
Foi Deus quem deu a vida a seus filhos
Somente ele é quem pode tirar
Vê se toma um chá de? simancol?
E colabore com o meu Brasil novo
Ao invés da pena de morte
Faça uma lei pra ter pena do povo...
Pra quê pena de morte?

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Incontestavelmente erradíssimo!
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
É!
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome.

Não vota não, não vota não!

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Simbora gente!
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome
Absolutamente certíssimo, certíssimo!
Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome

Tá erradíssimo!

Pra quê pena de morte, doutor?
Essa ideia é que me consome
Se o filho do pobre antes de nascer
Já está condenado a morrer de fome...
Bezerra da Silva 
martinsogaricgp.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão avaliados antes de serem liberados