quarta-feira, 15 de março de 2017

GUAMARE-RN : POR QUE EU GRITO : FORA HÉLIO!

Nada contra o cidadão Hélio  Willamy,  que merece respeito,  mas sim  à sua administração pública. Sou crítico  ferrenho de sua gestão puramente  paternalista, que beira ao fisiologismo, cujo modelo  de gestão chega a ser anacrônico, apesar de que o anacronismo ainda persiste em muitas gestões públicas, entretanto, não concebe -se isto nos dias atuais  e principalmente em uma cidade com tantos recursos financeiros. Tão  pouco, minhas  críticas devem ser vistas como um lawfare contra o prefeito.                                                   Quando a figura  do prefeito  e do cidadão Hélio Willamy  confunde -se em uma só pessoa, a partir  do momento que são tomadas as decisões administrativas, fica difícil o gestor público
dizer um NÃO, diante de colegas e amigos quando estes pedem favores, porque  neste caso está em jogo  a manutenção do poder.      Para que haja eficiência em uma gestão pública, esta deve ser administrada como se fosse uma empresa privada, principalmente no tocante à correlação  receitas e despesas para que haja sobra de recursos para serem aplicados em projetos sustentáveis, e para que não haja paralisação de outros projetos em andamento, porém, em Guamare, uma obra começa mas não sabe - se quando ela terminará, afora os graves erros de execução.

       Quando  o foco principal  de um gestor público passar a ser a incessante  busca pela manutenção do poder em detrimento à qualidade de vida que poderia ser proporcionada aos cidadãos deste município, o excelentíssimo prefeito Hélio foi  acometido por uma cegueira que impõe - se  diante  de sua inteligência e da razão.                                                       É  inconcebível que alguns atos tomados  pelo prefeito sejam anulados posteriormente, mas tão  somente, após denúncia em um  deteminado blog. Passa-se a impressão de que o excelentíssimo prefeito está mal assessorado nessa área jurídica, visto que ,fatos desta natureza  são corriqueiros e os  erros são crassos em sua administração. Fica o singelo aplauso ao prefeito  por reconhecer os erro, entretanto, isto não o exime de responsabilidade.
        Fazendo uma ilação entre a administração do prefeito Hélio, com a caixa de Pandora  (Bela história da mitologia Grega ), e trocando apenas alguns conteúdos dentro dela, (mas deixando  a esperança)  e, acrescentando à Educação, saúde, segurança, mobilidade urbana, habitação popular, projetos sustentáveis, ética pública e turismo, chego a conclusão  de que o excelentíssimo prefeito cometeu o mesmo erro  de Pandora, que pecou pela curiosidade ao abrir  a caixa , deixando dentro dela  apenas  a esperança. Esperança  essa, que  no verdadeiro sentido  da palavra  deveria ser sinônimo de fé em dias melhores; Porém, a desastrada gestão  do prefeito  tornou essa palavra  em sinônimo de sofrimento para muitos cidadãos, haja vista, que a ansiedade em demasia pode causar  doenças ao organismo ,(que o diga aquelas pessoas  carentes  que sonhavam  com a sua casa própria e não receberam .)
      Infelizmente, ao abrir a caixa de Pandora, deixando escapar  todos aqueles  conteúdos  que poderiam contribuir  para o desenvolvimento do município, caso tivessem sidos dados as devidas  tratativas visando desenvolvimento sustentável do município, certamente a cidade de Guamare  estaria em outro patamar  no tocante à qualidade de vida.
       Prefeito Hélio, a maior  oposição  a sua  gestão não está  na câmara, mas sim dentro de vossa excelência, pois foram  as suas atitudes que contribuíram para a disseminação de seu poder político.
        Senhor prefeito, diante de tantos desafios à frente da prefeitura, sentado na sua cadeira e ao abrir a caixa de sua gestão, o legado deixado  será  a ineficácia de sua gestão, que não valorizou a meritocracia nos serviços públicos, dando lugar ao clientelismo político, e este é um dos motivos pelos quais a cidade de Guamaré estagnou no tempo , consequentemente, a geração futura será penalizada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão avaliados antes de serem liberados