sexta-feira, 28 de abril de 2017

Guamaré: A via Crúcis de Helio de Mundinho na busca de legalização do seu “terceiro mandato”

Consciente que sua situação começa a  se complicar, prefeito Helio de Mundinho, Guamaré, continua a sua Via Crúcis para permanecer no mandato, mesmo já tendo consciência que utiliza o terceiro mandato. Helio vai se virando nos trinta como quem anda n’uma corda bamba, onde a qualquer momento pode
cair sua liminar.
Entenda a situação
Djalma de Melo Machado, candidatou-se ao cargo de prefeito de Arari (RE 78-66) foi ratificada pela Corte por 4 votos contra 1, este último proferido pelo juiz Eduardo Moreira em voto/vista.
No entanto
A coligação “Povo Unido e Feliz”, assim como a promotoria eleitoral da 27ª zona, recorreram ao TRE/MA, alegando que Djalma Melo estaria pleiteando terceiro mandato sucessivo, sob a argumentação de que “tanto quem sucede como quem substitui titular eleito incide na mesma restrição imposta àquele”.
Resultado
O prefeito de Arari, Maranhão,  acaba de perder seu mandato. O TSE entendeu que o mesmo estava partindo para um terceiro mandato, o que é vedado pela lei brasileira.
Então
O caso de Arari nos remete diretamente a situação na cidade de Guamaré, uma vez que o prefeito Djalma de Melo(MA), como o prefeito Helio de Mundinho, Guamaré, buscam o terceiro mandato mesmo sendo inconstitucional perante as Leis Brasileiras.
Portanto
Com a negatividade em relação ao caso de Arari, a população guamareense vive a expectativa do fim de um governo ausente, escorregadio e perseguidor.
Já que o prefeito de Guamaré tudo que conseguiu ate agora foi uma liminar dando-lhes direito a sua posse como adiamento  –  Sem falar que a população carente do município sofre as consequências dos desmandos administrativos – pois o prefeito, nesse momento,  luta apenas pelo o seu terceiro mandato. E o povo é só um detalhe diante da luta que Helio de Mundinho trava para permanecer no poder.
http://cidadedosal.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão avaliados antes de serem liberados