quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Quase metade dos brasileiros precisou de atividade extra para complementar renda no último ano



Dos bicos com faxinas e manutenção à venda de alimentos e cosméticos em casa, quase metade (45%) dos brasileiros precisou realizar alguma atividade extra para complementar a renda no último ano, revelou pesquisa do Instituto Cidades Sustentáveis publicada nesta quarta-feira (10).

A atividade de serviços gerais, como faxina e marido de aluguel, foi a mais citada, por 13% dos respondentes, seguida pelas vendas de alimentos (8%) e de roupas e outros artigos usados (6%).

A crise econômica após a pandemia de Covid-19, a falta do auxílio emergencial e a inflação são apontados pelos especialistas ouvidos pelo R7 como os motivos de maior influência para que tantos brasileiros – 76 milhões, segundo a estimativa do estudo – procurassem uma renda extra.

Para sobreviverem e se alimentarem, comenta Jorge Abrahão, coordenador-geral do Instituto Cidades Sustentáveis, “as pessoas complementam a renda e realizam atividades extras que não são suas especialidades, pois não conseguem mais ter itens básicos à sobrevivência”.

A procura por atividades extras está diretamente relacionada à piora das condições de vida da população, avalia Marcelo Gomes Ribeiro, professor do Ippur (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional), da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).






“Pelo fato de, de modo geral, ter havido uma redução do rendimento médio das pessoas e nos domicílios. Isso se deu principalmente entre as pessoas mais pobres”, diz o pesquisador.

Gomes lembra que, com os aumentos inflacionários e a desvalorização do salário mínimo, a população perdeu significativamente seu poder de aquisição de bens e serviços.

Isso faz com que as pessoas, sobretudo as mais pobres, tenham de buscar alternativas de obtenção de renda para superar esse processo de desvalorização. “É uma situação que está em pleno compasso com aquilo que nós observamos na economia brasileira e no seu mercado de trabalho”, prossegue.

Para além da crise econômica, Jorge Abrahão cita a incapacidade do governo federal de oferecer uma resolução para o problema.

“Nossa população mais vulnerável podia ter uma resposta mais forte a isso. O país tem condições para isso, mas não houve sensibilidade, e [as pessoas] tiveram que apelar a esses serviços”, comenta o coordenador do Instituto Cidades Sustentáveis.

Abrahão cita como exemplo o auxílio emergencial, que sofreu reduções e cortes ao longo da pandemia.

“Em momentos como esse, o auxílio tinha que ser prioridade e permanente até que a crise fosse superada. As pessoas não têm acesso aos produtos. As empresas também trabalham com limitações, e isso tudo faz com que, com uma grande quantidade de pessoas no limite de vulnerabilidade, a população precise de apoio. E cabe ao governo ser mais ágil, mais sensível para atender a população”, conclui.

Sul foi a região que menos precisou de renda extraundefined

Os pesquisadores divulgaram os resultados por região. Os habitantes do Sudeste, Centro-Oeste e Norte foram aqueles que mais tiveram de recorrer aos bicos para complementar a renda. A realidade foi notada por 48% dos respondentes.

Já a região Sul foi aquela em que a renda extra se fez menos necessária: 63% da população não precisou de renda extra, além de mais 2% que não souberam ou não quiseram responder à questão.

As outras quatro regiões apresentam níveis bastante semelhantes, com exceção do Sul, comenta Marcelo Gomes.

“Isso ocorre porque lá é menor a proporção de pessoas que vivem em situação de pobreza, comparativamente às demais regiões do Brasil”, afirma.

Pesquisa do Instituto Cidades Sustentáveis

Para essa pesquisa, foram ouvidas 2.000 pessoas com 16 anos ou mais de todas as regiões do país, entre 1º e 5 de abril de 2022.

O objetivo do estudo era obter um levantamento sobre a percepção da população brasileira acerca das múltiplas desigualdades (social, racial, de gênero e orientação sexual) no país.

A pesquisa tem um nível de confiança estimado em 95%, com margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão avaliados antes de serem liberados

Mulheres e crianças se desesperam e vão às lágrimas com filas de reservistas recrutados por Putin

Fotos: Reuters Centenas de idosos, pais, mães e crianças começam a enfrentar as consequências da ordem do presidente da Rússia, Vladimir Pu...